Técnicos Modernização, transparência e eficiência da sistemática operacional e dos equipamentos para medição, faturamento e gestão da água distribuída, com tecnologia de ponta. Estratégicos Velocidade na implementação e nos resultados esperados, em razão da união de todos os itens responsáveis pela medição, faturamento e gestão de distribuição da água potável em um único processo operacional. Econômicos e financeiros Maximização do faturamento
Medição correta da água consumida pelos usuários do sistema e faturamento justo conforme o consumo efetivo. Custos x Benefícios financeiros
Premissas (aproximadas):
° Média Geral SNIS 2014;
° Perda média total - 50%;
° Adotado - 50% perdas reais e 50% perdas aparentes;
° Meta - combater 20 pontos percentuais em perdas reais e 20 pontos percentuais em perdas aparentes;
° Valor dos investimentos a preço de custo, utilizando-se tecnologia de última geração como hardware, software e telemetria ( custo total sem BDI de fornecedores e prestadores de serviços e sem impostos)
° Projetos com duração de 60 meses

Perdas Reais
A cada R$ 1,00 por m3 investidos no Combate, Modernização e Gestão de Perdas “Reais” de Água “Retorna” para a Empresa de Saneamento Básico, em média, a partir de um “Projeto Sob Medida*”: (* combater 20 pontos percentuais das perdas reais viáveis)
 ° R$ 2,50 por m3 em média na recuperação de Custos Diretos Recuperáveis (energia elétrica e insumos) de Água que deixar de ser Produzida; e/ou
 / R$ 4,00 por m3 em média na venda de água recuperada caso haja Desabastecimento; e
 ° 200 m3 de água por mês, por km linear de rede de distribuição, suficientes para abastecer em média 10 famílias por km linear caso haja desabastecimento. (4 pessoas por família, consumo de 180 lts/hab/dia)

Perdas Aparentes
A cada R$ 2,00 por m3 investidos no Combate, Modernização e Gestão de Perdas “Aparentes” de Água “Retorna” para a Empresa de Saneamento Básico, em média, a partir de um “Projeto Sob Medida*”:(*combater 20 pontos percentuais das perdas aparentes viáveis)
 ° R$ 2,50 por m3 em média na recuperação de Custos Diretos Recuperáveis (energia elétrica e insumos) de Água que deixar de ser consumida por desperdício; e/ou
 ° R$ 4,00 por m3 de água por “Sub Medição Operacional”; e/ou
 ° R$ 4,00 por m3 na venda de água de “desperdício” caso haja Desabastecimento.
Otimização dos custos operacionais
A água poupada pela diminuição do consumo fica na fonte, diminuindo assim os custos operacionais de produção de água potável, especialmente energia elétrica e insumos, como também na coleta, afastamento e tratamento de esgoto.
Otimização das perdas reais
Com a diminuição do consumo a Concessionária distribuirá menos água, consequentemente menos volume perdido em vazamentos, poupando também energia elétrica e insumos.
Racionalização de investimentos em produção de água e tratamento de esgoto
Com a diminuição do consumo de água as ETAS e ETES ficarão com sua saturação diminuída, não necessitando assim eventuais novos investimentos.
Potencialização econômica das Concessionárias de serviços de água e esgoto para investir
Com as Concessionárias faturando a água que distribui, sobrarão recursos para investir em melhorias na qualidade dos serviços prestados, na universalização dos serviços, na drenagem urbana, no tratamento de esgoto, etc.
Sociais Crescimento dos índices de abastecimento
A medição correta do consumo resulta em pagamento justo. Na prática haverá diminuição de consumo em função da conta justa. Isso representa água sobrando para ser fornecida a regiões eventualmente prejudicadas pelo sistema de abastecimento.
Diminuição de doenças relacionadas a água e ao esgoto
Com a otimização do uso da água por todos, provavelmente sobrará água potável para abastecimento em locais onde a água não chega, evitando se assim doenças como:  esquistossomose, febre amarela, febre paratifoide, amebíase, ancilostomíase, ascaridíase, cisticercose, cólera, dengue, disenterias, elefantíase, malária, poliomielite, teníase e tricuríase, febre tifóide, giardíase, hepatite, infecções na pele e nos olhos e leptospirose, diretamente associadas à falta de saneamento básico adequado. “Cada R$ 1,00 não investido em Saneamento Básico são necessários R$ 4,00 para tratar pessoas com doenças provenientes da falta da água potável e que convivem com o esgoto gerado”.
Justiça social
Na prática, os consumidores que se encontram com o sistema de medição obsoleto e/ou praticando fraudes não pagam pela água que realmente consomem. Desta forma além de não pagarem pela água consumida ainda praticam o desperdício, consciente ou inconscientemente, e obrigam assim, através das tarifas majoradas pelas perdas, aos que pagam o correto a pagar por eles. “Quando todos pagam o justo, todos pagam menos e sobra água”.
Prática de tarifas justas
Com a prática de faturamento justo, as Concessionárias poderão reverter os recursos financeiros conquistados para evitar ou diminuir reajustes tarifários, subsidiar ou mesmo fornecer água de graça para quem realmente não pode pagar.
Ambientais
Preservação dos mananciais
Com as perdas recuperadas e o consumo otimizado, a água não utilizada será poupada nos mananciais, garantindo-se, assim, água para as futuras gerações ou para momentos de escassez.
Contato
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.